sábado, 5 de março de 2016

Gripe ou dengue: você reconhece as diferenças?

Gripe ou dengue: você reconhece as diferenças?


Entender os sintomas ajuda a excluir a possibilidade de uma ou outra doença

Os dados reforçam que a dengue é um assunto sério: de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a dengue é a doença tropical que se espalha mais rapidamente pelo mundo, sendo que 50 milhões de pessoas hoje já estão infectadas em todos os continentes. No Brasil, o Ministério da Saúde aponta que só nos primeiros três meses do ano foram registrados 714.226 casos de dengue, sendo que 83.768 já foram descartados. Além disso, já foram divulgadas mais 130 mortes pela doença esse ano. 

É importante ressaltar que muitos casos de dengue são descobertos e tratados tardiamente pelas semelhanças que a doença possui com a gripe, deixando o paciente menos preocupado em encontrar um tratamento adequado. Há situações também em que a pessoa pode desconfiar de dengue, mas que uma simples análise dos sintomas pode eliminar essa suspeita. Entenda as principais diferenças entre as duas doenças e lembre-se: na dúvida, procure um médico!

Segundo especialistas, dores no corpo e febre podem ser indicadores das duas doenças

Segundo especialistas, os sintomas da gripe e da dengue podem se confundir por se tratarem de uma doença viral. Febre alta, dores nas articulações e músculos e cansaço são comuns às duas doenças, mas outros sintomas podem diferenciá-las.
A maior diferença entre as doenças é que na dengue não há tosse, dor de garganta ou espirros. O paciente infectado pelo vírus da dengue apresenta, além dos sintomas comuns às duas doenças, dor no fundo dos olhos e vermelhidão no peito. Enquanto o paciente infectado pelo vírus da gripe tem a traqueia e os pulmões como áreas mais atingidas.
Uma boa dica inicial é ficar atento às características presentes em uma das doenças, mas ausente na outra. De acordo com o Dr. André Salgado, médico especialista em Clínica Médica e Terapia Intensiva, na dengue, por exemplo, não existem os sintomas respiratórios, como coriza, tosse e espirro. 

“Além disso, quem contraiu a dengue, em geral, sente dores musculares e articulares intensas, e a febre costuma durar mais tempo – de 5 e 7 dias”, explica. O médico comenta ainda que é importante prestar atenção nessa variação de sintomas e procurar um hospital imediatamente, já que não é possível diagnosticar a doença sem a realização de um exame de sangue específico para o vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

Os tipos de dengue

A Dra. Ana Gabriela explica mais a fundo os sintomas dessa doença: “A dengue clássica caracteriza-se por febre alta, com início súbito, fortes dores de cabeça e atrás dos olhos, que pioram com o movimento. Há perda do apetite, vômitos e tontura, cansaço, dor no corpo, nos ossos e nas articulações, além de manchas na pele”. Nem todos esses sintomas precisam aparecer, mas estão entre os mais comuns.

Existe, no entanto, uma versão mais perigosa da doença, a chamada dengue hemorrágica que, em torno de 5% dos casos, resulta em morte. “Ela começa com os mesmos sintomas da dengue clássica, mas, quando a febre passa, começam a aparecer dores abdominais fortes e contínuas, bem como vômitos persistentes. A pele fica pálida, fria, úmida e com manchas vermelhas. Há sangramento pelo nariz, boca e gengivas. Completam o quadro: sonolência, dificuldade respiratória, agitação e confusão mental, boca seca e sede excessiva”, enumera.

Se constatados casos clínicos como esses, procure ajuda médica imediatamente. “É importante também manter-se bem hidratado, ingerindo bastante líquido”, continua a doutora.

Cuidados constantes

Apesar de o inverno não ser o período de maior propagação da dengue, existem regiões do País em que as temperaturas não chegam a cair significativamente. Por isso, não podemos descuidar da prevenção.

De acordo com o Ministério da Saúde, 70% dos casos ocorrem entre janeiro e maio. Os outros 30% acontecem  no restante do ano, com concentração um pouco mais intensa a partir de novembro. Como o mosquito precisa de água para colocar os seus ovos, o período de maior contaminação costuma ser o de temperaturas mais altas e chuvas, que variam de região para região.

Assim, vale a pena lembrar quais são as principais medidas a serem tomadas para impedir que o mosquito se prolifere. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário